Bibliotecas

Há cerca de 15 anos, o antigo acervo bibliográfico do Centro de Estudos de Arquitetura da Bahia (CEAB) – talvez o maior conjunto de obras bibliográficas reunidas sobre a conservação e restauração do patrimônio edificado e urbano no Brasil – migrou quase em sua totalidade para as dependências da Biblioteca da Faculdade de Arquitetura da UFBA.

Não obstante, livros doados nos últimos anos, bem como um riquíssimo acervo documental e arquivístico, persistiu nos domínios do CEAB – e, consequentemente, à frente do Mestrado Profissional em Conservação e Restauração de Monumentos e Núcleos Históricos. 

Portanto, a atual biblioteca do MP-CECRE ainda conta com um acervo diretamente relacionado à área de conservação de restauração, bem como de historia da arquitetura e da cidade.

Pata além da grande quantidade de publicações diretamente vinculadas à área do curso, conta com aproximadamente 280 trabalhos de conservação e restauração de monumentos e conjuntos históricos, desenvolvidos por arquitetos e engenheiros, ex-alunos dos cursos de especialização e do mestrado-profissional, ao longo dos mais de 35 anos de sua existência na UFBA – referência essencial para os discentes do mestrado profissional, mas também para estudantes de graduação, mestrados e doutorados acadêmicos, pesquisadores do tema da conservação e restauração, e da história da arquitetura e da cidade.

Por outro lado, estes trabalhos técnicos são estruturantes para as instituições de salvaguarda do patrimônio cultural, especialmente quando intencionam intervir em monumentos ou áreas urbanas que foram objeto de estudo e projeto pelo CECRE ou pelo MP-CECRE – especialmente o IPHAN, que historicamente patrocina o curso.

É bom dizer que todos os 23 trabalhos de egressos do MP-CECRE estão hoje com acesso livre para download através o site do curso – aliás, como já foi mencionado. No entanto, os projetos de intervenção desenvolvidos nas 12 versões do curso enquanto especialização só se encontram disponíveis para consulta, pesquisa e para usufruto de entidades públicas de proteção do patrimônio – ou abertos a negociações com escritórios particulares especializados na conservação e restauração do patrimônio edificado e urbano que queiram adquirir os cadastros, diagnósticos ou projetos elaborados pelos ex-alunos do CECRE –, na Biblioteca do CEAB. São trabalhos que em sua grande maioria foram feitos ainda sem o uso de ferramentas digitais e cujos únicos suportes são os documentos originais em papel.

É importante citar também o acervo iconográfico de cerca de 500 fotos e 300 mapas (especialmente de Salvador e da área do Recôncavo Baiano), dos séculos XIX e XX, utilizados pelos alunos e abertos a pesquisadores de todo o país. Este acervo está em processo de digitalização e será ligado à rede mundial de computadores, por intermédio da Biblioteca Central da UFBA.

Recentemente a biblioteca foi toda equipada com novo mobiliário e computadores para consulta, e passou por uma completa reorganização.

Além deste material documental e bibliográfico, os alunos têm acesso a todas as bibliotecas da UFBA, destacando-se a Biblioteca Central e a Biblioteca da Faculdade de Arquitetura.

Esta, por sua vez, apresenta acervo potencialmente relacionado aos temas de trabalho dos alunos: além dos trabalhos finais do PPGAU, livros, dissertações e teses, disponíveis por meio de empréstimos – o que é facilitado pela proximidade destas Instituições à sede do MP-CECRE.

É preciso dizer que a biblioteca da Faculdade de Arquitetura, nos últimos anos, sofreu uma ampla reforma, passando a operar de forma automatizada, possibilitando um acesso mais rápido e direto ao seu ao acervo. Nesta reformulação foram integrados todos os acervos bibliográficos existentes na Faculdade de Arquitetura – incluindo o antigo acervo bibliográfico do CEAB (como já foi dito), que migrou quase todo para as dependências, e o acervo do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo – passando todos a constar de um cadastro digitalizado.

Além de uma reestruturação completa de seu espaço físico, com aproximadamente 650 m2, e da substituição integral de todo o mobiliário e equipamentos, o acervo da biblioteca foi inventariado e cadastrado no BIBARQ, sistema informatizado, possibilitando a instalação de ilhas computadorizadas para consulta.

O setor de periódicos foi totalmente reformulado, assim como foi iniciado o processo de revisão e reformatação do setor de obras raras, onde ampla campanha de encadernação também foi implementada.

Destaca-se ainda que a integração dos acervos bibliográficos possibilitou uma forma mais racional de organização, controle e sistematização das três coleções anteriormente existentes – FAUFBA, PPGAU e CEAB. Nessa última encontram-se obras raras e de referência, relativas à história da Cidade de Salvador nos séculos XVII, XVIII, XIX e XX, importante, sobretudo, no apoio à Linhas de Pesquisa de História da Cidade e do Urbanismo.

O acervo desta nova biblioteca integrada conta com mais de 9.000 títulos e 27.000 volumes, além de uma coleção de 543 títulos de periódicos com cerca de 12.000 fascículos.

Esse acervo agora está disponibilizado em um único espaço, compreendendo: consulta, empréstimo, referência (dicionários, enciclopédias catálogos, guias, etc.); periódicos (revistas; boletins; jornais); coleções especiais (obras raras; vídeos; CDs, fitas k7, monografias, dissertações, teses etc.).

Além das outras unidades do sistema universitário, bibliotecas e arquivos administrados por outras instituições sediadas na cidade de Salvador, possuem também importantes acervos para o desenvolvimento de projetos vinculados ao MP-CECRE, entre as quais, cabe citar:

  • Biblioteca Pública do Estado da Bahia, a mais antiga da América Latina e primeira biblioteca pública do Brasil, conta com um acervo de 600 mil exemplares, sendo 150 mil livros, funciona com setores de Pesquisa/Referência, Empréstimo, Sala Especial, Periódicos, Obras Raras e Valiosas, Documentação Baiana de Artes e Audiovisual.
  • Fundação Gregório de Mattos, que gere o patrimônio histórico e documental e o acervo bibliográfico da Prefeitura Municipal de Salvador.
  • Fundação Pedro Calmon, que gerencia o Arquivo Público da Bahia, o qual é reconhecido pelo Arquivo Nacional como o segundo mais importante do país em sua especialidade e de grande importância para a história administrativa, legislativa e jurídica do estado.
  • Instituto Geográfico e Histórico da Bahia, que abriga o Arquivo Histórico Theodoro Sampaio, existente desde sua inauguração em 1894, e onde estão depositados importantes manuscritos para a história do estado.
  • Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia, que possui biblioteca especializada em preservação do patrimônio em suas várias dimensões.
  • Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia, que possui biblioteca especializada em preservação do patrimônio em suas várias dimensões.
  • Superintendência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional na Bahia, implantada desde 1938, possui biblioteca especializada em preservação do patrimônio e arquivo que contém documentos fundamentais para a história dessa prática do Brasil e no estado da Bahia.